Vida e obra de Zamenhof continuam a inspirar, 100 anos após sua morte

zamenhof100j

Mensagem do presidente da Associação Mundial de Esperanto
(Gazetara Komuniko de UEA n-ro 680)

Em 14 de abril de 2017 comemora-se o 100º aniversário da morte de Luis Lázaro Zamenhof, iniciador do Esperanto. Neste dia festivo, a Associação Mundial de Esperanto (UEA) reiteradamente enfatiza a importância e o valor duradouro da sua vida e obra, que se pode ler em trinta línguas no novo site ZAMENHOF.LIFE .

“Zamenhof não só tinha uma intuição brilhante sobre línguas”, comenta o presidente da UEA, Dr. Mark Fettes. “Ele também conseguiu expressar, entre outras coisas através dos seus discursos em congressos, uma visão essencial e ética para o movimento esperantista. Estamos falando da convicção de que os encontros e os debates de “seres humanos com seres humanos” não são apenas úteis na prática, mas também um passo espiritualmente profundo para a compreensão.”

Lázaro Zamenhof nasceu em 1859 numa família de classe média judia, na cidade de Bialistoque, então localizada na parte ocidental do Império Russo. Ainda adolescente, começou a fazer experimentos na criação de uma língua neutra. Finalmente em 1887, em Varsóvia, apareceu o Primeiro Livro da Língua Internacional do Dr. Esperanto. Durante os 25 anos seguintes Zamenhof, junto com sua esposa Clara, dedicaram grande parte do seu tempo, energia e recursos financeiros na promoção do movimento incipiente.

Sua correspondência se alargou, redigiu revistas e livros, escreveu artigos e poemas, traduziu obras da literatura mundial e, por ocasião dos Congressos Mundias de Esperanto em que participou, a exemplo do primeiro, em 1905, apresentou também uma série de discursos inspiradores. Não há como duvidar de que sua militância constante, incansável e prudente, durante aqueles anos amiúde difíceis, foi essencial para a estabilidade da língua e de sua comunidade.

“Em consonância com sua visão ética, Zamenhof obstinadamente se apegou à ideia de que o Esperanto pertence a todos os seus falantes”, acrescenta Fettes. “Ao contrário de muitos outros autores de línguas planejadas, ele desde o início procurou um modo de se desvincular do seu papel de liderança. Por isso, ele reagiu muito favorável à fundação da UEA em 1908, tendo acertadamente visto que o movimento precisava de uma organização diretiva comunitária, na qual todos esperantistas pudessem colaborar, independentemente de suas nacionalidades e de suas diversas tendências ideológicas. Suas ideias e seu exemplo continuam a nos inspirar ainda nos dias atuais.”

Por ocasião do 100º aniversário do nascimento de Zamenhof, em 1959, a Unesco o reconheceu como uma das Grandes Personalidades da Humanidade. Desta vez, o aniversário de sua morte também foi elencado pela Unesco entre os aniversários notáveis no ano de 2017.

Em resposta a tal incentivo, o parlamento polonês em 7 de abril, sob aplausos, aceitou uma resolução quanto ao significado de sua vida e obra. Solenidades, simpósios e outros eventos festivos continuarão a acontecer pelo mundo até o final do ano. Calendário de eventos se encontra no site GAZETARO.ORG.


Fonte: Associação Paulista de Esperanto – Kuriero nº 198

Advertisements

Publikita de

Paulo Cesar Pires

https://esperanto.blog